Vinho Argentino Achaval Ferrer Malbec Blend 2016

2462

De: R$ 89,90

Por: R$ 69,90

R$ 69,90 (com 0% no boleto à vista)

em até 1x de R$ 69,90 sem juros no cartão

Frete
Compartilhe:
Achaval Ferrer é sinônimo de grandes vinhos, uma vinícola que é internacionalmente reconhecida por sua constância na qualidade e acaba de lançar este novo produto, o Achaval Ferrer Blend, que ajudará a marca a ganhar mais espaço no mercado de vinhos sem, obviamente perder sua incontestável qualidade! Buscamos em Mendoza as melhores origens onde, cada variedade pode expressar seu pleno potencial. Valle do Uco (1.200mts): Cabernet Franc. Lujan de Cuyo (1.000mts): Malbec. Medrano (750mts): Cabernet Sauvignon. Rendimento: 9.000 quilos por hectare. Filosofia : Produção altamente sustentável, seguindo as práticas de Agricultura Orgânica, ainda que não certificado como tal.
  • País: Argentina
  • Região: Mendoza
  • Safra: 2016
  • Tipo: Tinto
  • Uva: Blend (85% Malbec, 10% Cabernet Franc e 05% Cabernet Sauvignon)
  • Volume: 750 ml
  • Teor alcoólico: 13.4000%
  • Temperatura de serviço: 0,0ºC a 0,0ºC
  • Validade: Validade indeterminada desde que conservado com a sua vedação original em local seco e fresco ao abrigo da luz, sem trepidações, com temperatura constante, sem odores fortes e preferencialmente na posição horizontal.
  • Vinícola: Bodega Achaval Ferrer
  • Vinificação: 50% em tanques de concreto e 50% em tanques de aço inoxidável, com remontagem durante o período de no máximo 10 dias. 50% do vinho amadurece por 6 meses em barricas de carvalho francês de segundo uso.
  • Família: Vinho de Mesa Fino
  • Estilo: Seco
  • Coloração: Tinto
  • Sommelier: Notas de Prova - Achaval Ferrer Malbec Blend: Sua coloração é de um púrpura quase negro e brilhante. Seus aromas disparam notas de cereja e framboesa negra, especiarias doces, flores e um fino carvalho tostado. Na boca é redondo e aveludado, é concentrado e potente, mas elegante, com taninos de qualidade, puro, fresco, saboroso e muito longo.

Bodega Achaval Ferrer

Comprometida com o desenvolvimento de vinhos excepcionais, a Achaval-Ferrer busca uma excelência de excelência quando se trata da produção de vinhos argentinos.

Achaval-Ferrer oferece vinhos de qualidade de classe mundial, profundamente enraizados nos melhores vinhedos da colina de Mendoza

E eles oferecem três níveis para descobrir o autêntico processo de fabricação de vinhos.

1995

Primeiros passos aventurosos para a busca de um sonho.

Santiago Achával, Roberto Cipresso, Manuel Ferrer e Tiziano Siviero se juntam e mapeiam seus passos.

 

1998

Achaval-Ferrer marca sua criação!

A adega nasce e Diamante Vineyard é comprada e transformada em primeiras colheitas.

1999

Este é o momento em que começa a história de Altamira.

Enquanto o grupo visava um estilo de produção, o Altamira Vineyard é criado para dar luz e mostrar o caminho.

 

2000

Altamira Vineyard recebe 5 estrelas.

A nova colheita de 1999 que mais tarde se tornaria Altamira Vineyard 1998 ganha 5 estrelas Decanter, tornando-se o primeiro vinho argentino a ganhar este prêmio.

Os vinhedos Bella Vista e Mirador são adquiridos.

As vinhas Bella Vista e Mirador foram novas propriedades que foram adicionadas à família em uníssono com a visão Single Vineyard.

Marcelo Victoria junta-se à adega e o empreendimento comercial começa.

2001

Quimera nasceu

A soma de tudo, o sonho impossível.

 

2002

Bella Vista Vineyard

Seguido por uma temporada maravilhosa na Argentina, tem sua primeira colheita e ocupa seu lugar dentro do nosso portfólio. O conceito de terroir tinha todos os seus vinhos exemplares pela primeira vez.

 

2004

Altamira Vineyard recebe 96 pontos do Wine Spectator, a pontuação mais alta para um vinho sul-americano na história.

Os bares de vinhos recebem o novo Mendoza Malbec 2003.

Pela primeira vez, mais de 100 mil garrafas de vinho são vendidas, o empreendimento comercial começa em Buenos Aires, sob a direção de Cristian Duskiewicz.

2006

Lar Doce Lar!

O sonho se torna uma realidade: a aquisição de uma casa em Bella Vista, localizada na margem do rio Mendoza.

Roberto Cipresso é premiado.

Melhor vinicultor italiano da Sociedade Italiana de Sommeliers.

 

2007

Cumpriram o objetivo de 200.000 garrafas e atingiram 25 mercados internacionais com nossas etiquetas de vinhos.

2011

Altamira Vineyard 2009 obtém 99 pontos do Wine Advocate, tornando-se o primeiro vinho sul-americano a atingir esse resultado.

(Bem vinda!)

O grupo SPI compra a adega graças à sua reputação internacional.

A safra que será a primeira coisa que sabemos agora como Cabernet Mendoza é colhida, expandindo a linha "Mendoza".

2010

Bella Vista Vineyard 2010.

TOP 10 selecionado.

Bella Vista Vineyard 2010 é selecionada entre o WorldWide TOP10 pela publicação anual do Wine Spectator, este é um prêmio único e histórico para um vinho latino-americano.

A marca Achaval-Ferrer encontra-se em mais de 65 mercados ao redor do mundo.

 

2013

TOP 3 Vinhedos.

A popularidade e o reconhecimento crescem graças à linha "Fincas". Altamira Vineyard (1). Mirador Vineyard (2) e Bella Vista Vineyard (3) alcançam o ranking Top 3 Wine Spectator de vinhos argentinos cada um com 96, 96 e 95 pontos.

Nova Administração, Silvio Alberto.

Com uma longa carreira e experiência no mundo do vinho, Silvio Alberto se torna CEO da adega. Ele aceita alegremente este grande desafio de carreira, e seu principal objetivo é impulsionar a marca a nível internacional.

 

2014

Gastón Williams.

Diretor de comércio e marketing.

No início do ano, Gaston Williams se torna diretor de comércio e marketing, enfrentando novos desafios para a adega, como a expansão da marca.

 Novo Diretor Financeiro Ricardo Romero.

Pouco tempo depois, Ricardo Romero assume a função de CFO, que é uma valiosa aquisição para a empresa, dada a sua extensa carreira profissional.

 

2015

Uma identidade em evolução.

 

O logotipo terá um novo visual. Ele manterá suas origens, elementos e estilo, reforçando sua mensagem de conjunção e união, bem como a analogia de como ela existe como uma ponte entre os mundos Velho e Novo.

Blend (85% Malbec, 10% Cabernet Franc e 05% Cabernet Sauvignon)

Também conhecida como Auxerrois ou Côt Noir em sua terra natal, Cahors (região quente localizada no sudoeste da França), a uva Malbec é ainda hoje a grande estrela da região fazendo vinhos tintos interessantes, austeros, escuros, aromáticos e muito agradáveis, normalmente produzidos com corte de sua casta (mínimo 70%), sua prima Tannat e Merlot. A uva Malbec possui cacho de tamanho médio com bagos em formato de esfera. A casta apresenta polpa macia e cor preta azulada. Os vinhos produzidos com a casta Malbec apresentam cor vermelho púrpura, sendo essa extremamente intensa. A casta foi amplamente utilizada em Bordeaux, onde recebeu o nome de Malbec, até meados do século 20 (perdendo espaço para Merlot e Cabernet Franc). Hoje, entra em proporções minoritárias em alguns cortes dessa região. A casta Malbec alcançou sua grande consagração na Argentina, onde produz alguns vinhos tintos excelentes, muito ricos e concentrados, com um caráter macio e cheio de fruta. Os grandes Malbec argentinos são criação de Nicolás Catena Zapata (produtor da região de Mendonza), que realizou a seleção clonal científica desta variedade nos anos 90, dando origem a exemplares bem mais finos, macios, concentrados, de qualidade muito superior aos rústicos vinhos que antes eram elaborados com ela. A uva Malbec também pode ser encontrada na Itália, Chile, Austrália e outros países do Novo Mundo. Os vinhos produzidos com a casta Malbec na Argentina são excelentes para harmonização com cogumelos, carré de cordeiro com crosta de ervas e pato confit. Já os que contam com produção na terra natal da casta Malbec, Cahors, são ideais para serem degustados e apreciados na companhia de um cassoulet. Considerado um dos melhores vinhos de Catena Zapata, o grande produtor argentino da região de Mendonza que utiliza com maestria a casta Malbec, o “DV Catena Malbec-Malbec 2012” é uma das estrelas da linha premium do produtor, mostrando grande complexidade. O vinho tinto esbanja uma cativante fruta, com ótima profundidade de sabor. No palato é longo e saboroso, evidenciando e mostrando porque desde o seu lançamento é considerado um dos melhores vinhos tintos produzidos com a casta Malbec da região da Argentina e do produtor Catena Zapata.   A casta Cabernet Franc já foi uma das principais uvas da região francesa de Bordeaux. Também conhecida como “bouchet” em Saint-Émilion, a casta é mencionada pela primeira vez na região no século I. Hoje essa variedade de uva aparece em cortes com a casta Cabernet Sauvignon e a uva Merlot, dando origem ao famoso corte bordalês, muito celebrado na região que lhe conferiu o nome.  O cacho da uva Cabernet Franc possui tamanho pequeno e cor violeta acentuada. Os bagos da casta são extremamente delicados e com formato redondo. A uva é muito cultivada na França, mas é utilizada na elaboração de vinhos extraordinários no Norte da Itália, no Vale do Maipo localizado no Chile e no Vale dos Vinhedos no Brasil.  A uva Cabernet Franc amadurece cedo, podendo ser cultivada em regiões de clima quente ou frio. A casta com o tempo perdeu muito espaço para as uvas Merlot e Cabernet Sauvignon na elaboração de vinhos tintos, entretanto, o que muitos não sabem, é que foi a casta Cabernet Franc que deu origem a casta Cabernet Sauvignon, já que foi o cruzamento da Franc com a Sauvignon Blanc que originou a conhecida e aclamada uva.  Já na região do Vale do Loire, dá origem a vinhos varietais (tintos e rosés) repletos de aromas de ameixas e amoras, notas herbáceas e até florais, como violeta. No palato, revela um corpo médio e taninos longos, que indicam boa guarda.  Devido a excelente acidez natural encontrada nos vinhos produzidos com a casta Cabernet Franc, os tintos e rosés são ideais para harmonizações com queijo de cabra, queijo feta, cogumelos, quiche de espinafre e ervas aromáticas, como sálvia, tomilho e alecrim.  A casta Cabernet Franc é utilizada na elaboração de tintos fantásticos, entre eles o “Alzero Cabernet Franc IGT 1998” do produtor italiano Giuseppe Quintarelli. O vinho único e cativante é considerado uma das obras primas e monumentais do produtor, tendo sido avaliado pelo renomado crítico Robert Parker, que concedeu ao tinto 98 pontos. Com notável densidade de fruta e um agradável frescor no palato, o tinto é elaborado com uvas passificadas, com minúscula produção e sem a existência de similares em todo o mundo.   A casta Cabernet Sauvignon (resultado do cruzamento das uvas Cabernet Franc e Sauvignon Blanc) é uma das mais famosas e a mais bem-sucedidas uvas tintas do mundo, originária da região francesa de Bordeaux (como indicam documentos do século XVIII). Ela compõe vinhos tintos encorpados e concentrados, muitas vezes envelhecidos em carvalho. Alguns exemplares podem durar muito tempo, e podem também ser elegantes e complexos, enquanto outros são mais intensos e exuberantes. Hoje, a onipresente uva Cabernet Sauvignon produz ótimos vinhos nas regiões mais diversas: Bordeaux, Itália, Portugal, Espanha, Austrália, Califórnia, Chile, Argentina, Nova Zelândia e África do Sul, entre outras. Cada uma com seu estilo próprio e suas peculiaridades. Uma das mais famosas uvas tintas do mundo, a Cabernet Sauvignon resulta do cruzamento entre as uvas Cabernet Franc e Sauvignon Blanc. É originária da região francesa de Bordeaux – as primeiras indicações sobre sua existência remontam ao século XVIII –, e está presente em quase todas as regiões produtoras de vinho, o que demonstra sua incrível habilidade de adaptar-se aos terroirs mais distintos. Por ser o componente principal de todos os cinco Premier Grand Cru Classés de Bordeaux, a variedade foi plantada nos quatro cantos do planeta e diversos dos melhores tintos do mundo são elaborados com ela. Hoje, a onipresente uva Cabernet Sauvignon produz ótimos vinhos nas mais diversas regiões: Bordeaux, Itália, Portugal, Espanha, Austrália, Califórnia, Chile, Argentina, Nova Zelândia e África do Sul, entre outras. Cada um com seu estilo próprio e suas peculiaridades. A Cabernet Sauvignon é uma uva relativamente fácil de ser cultivada, mas que demanda uma grande insolação para alcançar o pleno amadurecimento. Essa é uma das razões do porquê na sua região de origem – Bordeaux, na França – ela aparece em quantidade menor que sua companheira Merlot, que por sua vez necessita de menos sol para amadurecer. Apesar de ser comumente associada aos tintos de Bordeaux, a uva Cabernet Sauvignon se desenvolve particularmente bem apenas na região de Médoc e em alguns outros poucos terroirs de Bordeaux. Por outro lado, o sol abundante do Novo Mundo, em lugares como a Califórnia e o Chile, permite que a uva Cabernet fique completamente madura e acumule bastante açúcar. Os cachos são pequenos e os bagos miúdos e de casca espessa. Os vinhos tintos elaborados com ela são encorpados e concentrados, com taninos potentes e muitas vezes envelhecidos em carvalho, para que o vinho fique mais complexo e macio. Alguns de seus vinhos podem durar muito tempo, e podem também ser elegantes e complexos, enquanto outros são mais intensos e exuberantes.

Mendoza

A região de Mendoza é conhecida como o berço do vinho argentino e possui a fama de produzir o melhor Malbec do mundo. Mendoza é responsável por 70% da produção de vinhos da Argentina, tornando-se uma das áreas vinícolas mais importantes das Américas e, consequentemente, uma das mais importantes do Novo Mundo. 

Entre pequenos produtores e gigantes vitivinícolas, Mendoza possui mais de mil bodegas que utilizam tecnologias avançadas no cultivo, fermentação e comercialização do vinho. Os rótulos mais conhecidos da região argentina são os exemplares do renomado produtor Catena Zapata, conhecido por elaborar vinhos de estrutura e alta complexidade. 

Nos últimos anos, o sucesso dos vinhos argentinos no mundo todo tem sido estrondoso. Seus tintos ricos, macios e concentrados, elaborados em estilo moderno — principalmente com a uva Malbec e Cabernet Sauvignon — estão entre os que mais agradam o paladar contemporâneo, especialmente nos países do Novo Mundo. 

Em geral, são vinhos de excelente relação qualidade e preço, muito sabor e apelo imediato, fáceis de gostar ao primeiro gole. Além de muitos vinhos saborosos e acessíveis, a Argentina produz também alguns grandes vinhos, de estrutura e complexidade, entre os melhores do mundo, como é o caso dos famosos Catena Alta, Catena Zapata ou do raro Nicolás Catena Zapata, que são as principais referências de qualidade em vinhos argentinos hoje em dia. Alguns produtores argentinos também produzem excelentes Chardonnaysintensos, ricos e complexos, entre os melhores do continente americano.  
 
O potencial da Argentina para produzir grandes vinhos é realmente muito grande, tanto pelo clima quanto pelos terroirs privilegiados e pela possibilidade de se plantar em altitude, que vem sendo cada vez mais explorada por Catena. Entre os tintos, os grandes destaques do país são a uva Malbec e a Cabernet Sauvignon, enquanto entre os brancos a Chardonnay predomina, com alguns belíssimos exemplares.  
 
uva Bonarda também é muito plantada e já tem dado vinhos tintos macios e alegres, de muito sabor. Experiências têm sido feitas com inúmeras outras uvas, como SyrahPinot NoirTempranilloMerlot e Sauvignon Blanc, e o futuro promete interessantes surpresas

0 AVALIAÇÕES - 0.00 DE 5 ESTRELAS

  • Ótimo:

    0.0%

  • Muito bom:

    0.0%

  • Bom:

    0.0%

  • Não gostei:

    0.0%

  • Péssimo:

    0.0%

Avalie este produto:

Avaliar