Vinho Argentino Estiba I Branco Blend 2015

321

Por: R$ 65,00

R$ 61,75 (com 5% no boleto à vista)

em até 1x de R$ 65,00 sem juros no cartão

Frete
Compartilhe:
  • País: Argentina
  • Região: Mendoza
  • Safra: 2015
  • Tipo: Branco
  • Uva: Blend (Sauvignon Blanc e Semillón)
  • Volume: 750 ml
  • Teor alcoólico: 12.0000%
  • Temperatura de serviço: 9,0ºC a 11,0ºC
  • Sugestão de
    decantação:
    Não
  • Sugestão de guarda: Pronto para consumo.
  • Combinações enogastronômicas: Como vinho de sobremesa, para acompanhar uma tábua de queijos ou doces mendocinos.
  • Validade: Validade indeterminada desde que conservado com a sua vedação original em local seco e fresco ao abrigo da luz, sem trepidações, com temperatura constante, sem odores fortes e preferencialmente na posição horizontal.
  • Vinícola: Bodegas Esmeralda S.A   
  • Vinificação: Vinificação tradicional com controle de temperatura. Leveduras selecionadas. Fermentação em 30 dias.
  • Maturação: 20% do vinho passa 12 meses em carvalho francês novo. 80%, em tanque de aço inoxidável com as borras.
  • Família: Vinho de Mesa Fino
  • Coloração: Branco
  • Sommelier: Notas de Prova - Estiba I Sobremadurado: Com uma cor amarela intensa e brilhos dourados, o nariz é complexo, lembrando flores brancas e cítricas, com notas suaves de anis, mel e baunilha. Na boca, tem uma longa e doce permanência, com sutis notas cítricas e melosas, muito bem equilibradas pela acidez. Ideal como vinho de sobremesa, para acompanhar mesas de queijos e doces mendocinos.

Bodegas Esmeralda S.A   

Bodegas Esmeralda foi fundada há mais de meio século por Don Juan Fernández. Seu nome vem da filha do fundador, a única mulher entre quatro irmãos, Esmeralda Fernández. 

Localizada no departamento de Junín, um dos lugares mais tradicionais de vinificação em Mendoza, é um dos principais processadores e exportadores de estabelecimentos de vinhos de alta qualidade. 

Representa um ícone da indústria do vinho para a sua modernização, o seu trabalho organizado e o crescimento incessante experimentado em volumes e qualidade mantidos. 

Instalações 

Bodegas Esmeralda foi equipada com a tecnologia e os equipamentos mais avançados, incluindo tanques de aço inoxidável, pneumática e novos moinhos e prensas sistemas de bombeamento. Além disso, um ambicioso programa de barris de carvalho, adquirindo a cada ano de barris do coopers de maior prestígio na França e nos Estados Unidos foi implementado. 

Vinificação em Bodegas Esmeralda também influenciou a participação de especialistas e enólogos estrangeiros, que ofereceram serviços de consultoria e ainda fazer hoje para melhorar ano após ano a qualidade dos vinhos produzidos na adega. 

tem atualmente uma instalação central e quatro outros vinícolas satélites em operação, na qual são produzidos os diferentes cortes de vinho. Todas as vinícolas destes satélites passa para a adega em Junín a ser dividido e liberado, o que implica um importante trabalho de coordenação e logística. 

Desde a sua criação, Bodegas Esmeralda começou um extenso projeto de pesquisa sobre os diferentes microclimas de Mendoza, destinadas a localizar o mais ideal para o plantio de Cabernet Sauvignon, Chardonnay e áreas Malbec. Além disso, a equipe Bodegas Esmeralda começou implementação de técnicas inovadoras desbaste cluster e métodos de colheita, a fim de melhorar a concentração de fruta. 

Como resultado desta pesquisa, a equipe de Bodegas Esmeralda, chegou à conclusão de que, por causa das condições climáticas desertas em Mendoza, e a consequente necessidade de irrigação, os produtores de Mendoza tinham controle absoluto sobre a quantidade de água que deve ser fornecido para cada planta. Eles descobriram que controlando cuidadosamente o "estresse hídrico" que cada vinhedo experimentou durante seu ciclo de crescimento, poderia conseguir grandes melhorias na qualidade e concentração de fruta. 

Leopoldo Nicolás Kuschnaroff 

Agrônomo, filho de viticultores, estudou em Mendoza e especializado em enologia. Ele fez elaborações nos EUA para melhorar os seus conhecimentos e retornar ao país trabalhou na gestão de vinhas por alguns anos. Em 2008 ele se juntou Bodegas Esmeralda para trabalhar na área da enologia, onde fez trabalhar em diferentes regiões vinícolas do país. Depois de um par de anos assumiu a gestão da adega, cargo que ocupa até hoje. 

Blend (Sauvignon Blanc e Semillón)

A casta Sauvignon Blanc é outra uva branca de muito sucesso, originária da região de Bordeaux, onde produz grandes vinhos brancos, bastante ricos e exuberantes. Também é muito encontrada no Vale do Loire, em vinhos finos, elegantes e cheios de charme, como os Sancerre e Pouilly-Fumé. Na região de Bordeaux, a casta é normalmente utilizada em vinhos de corte, junto com a uva Semillon. Já os melhores rótulos franceses elaborados com a casta são produzidos na região noroeste da França, no Vale do Loire, alcançando grande fama mundial. O vinho branco da casta Sauvignon Blanc da região do Loire possui alta acidez, se tornando uma excelente opção para apreciação e degustação durante refeições. Ganhando bastante destaque na Nova Zelândia atualmente, os rótulos possuem sabor frutado bastante concentrado, eliminando a presença da dureza mineral que é encontrada nos vinhos elaborados no Vale do Loire, sendo ideal para acompanhar salmão defumado e queijo de cabra. O destaque para a vinificação da casta Sauvignon Blanc na Nova Zelândia ocorre atualmente por conta da técnica criada pelos enólogos do país, que conseguem colher a uva em diferentes estágios de amadurecimento, obtendo bastante corpo. Graças a essa moderna técnica, os vinhos são bastante complexos, com grande presença de aromas minerais e notas de flores. Sabe-se que a casta Sauvignon Blanc dos vinhedos da Nova Zelândia possui mais ésteres e methoxypirazinas do que as vinificadas em outras regiões do mundo, características essas que podem ser as responsáveis pelos aromas únicos encontrados nas uvas dessa região. Vinificada próxima ao mar, a casta Sauvignon Blanc possui bastante influência oceânica na Nova Zelândia, na região de Marlborough, possuindo nos rótulos aromas de aspargos, ervas, lima e maçã verde. Já em regiões com clima mais quente, como o Chile, o aroma se aproxima mais de maçã vermelha, demonstrando um caráter mais maduro. De personalidade marcante, a casta Sauvignon Blanc se desenvolve também em regiões com climas frios. Em locais com temperatura mais baixa os vinhos são extremamente aromáticos e frescos, com ótima acidez e aromas mais verdes, lembrando grama cortada e frutas cítricas, por exemplo. No Novo Mundo a uva Sauvignon Blanc é bastante cultivada no Chile, África do Sul, Estados Unidos e Austrália, além da Nova Zelândia, região em que a uva Sauvignon Blanc vem ganhando cada vez mais destaque.

 

A uva Semillon é o ingrediente principal dos vinhos doces brancos de Sauternes e dos vinhos brancos secos de Pessac-Leognan. A casta é, em geral, combinada com a cepa Sauvignon Blanc na região de Bordeaux, na França. Em outras partes do mundo, a casta pode ser encontrada em cortes com MuscadelleOriginária da região de Sauternes, seu nome é derivado da pronúncia local de Saint-Emilion, embora não se tenha registros de vinhos produzidos com a uva nos arredores da cidade. Uma casta de altíssima qualidade, a uva Semillon tem sua área cultivada relativamente pequena, sendo a maior parte bastante concentrada na região de BordeauxA casta Semillon é bastante suscetível ao ataque de “Botrytis Cinerea”, fungo bastante conhecido por ocasionar um dos mais famosos termos do mundo do vinho, a “podridão nobre” nas vinhas. Aparecendo nos vinhedos principalmente no inverno, o “Botrytis Cinerea” perfura a casca da uva e absorve todos os líquidos da fruta, tornando a cepa mais concentrada em açúcar. Os vinhos elaborados a partir da cepa atacada pelo fungo (botritizadas) se tornam bastante aromáticos e licorosos, podendo ser classificados como os melhores vinhos de sobremesa e os melhores rótulos produzidos a partir da casta SemillonAs características e aromas que a casta propicia aos vinhos brancos diferenciam-se de uma região para outra por conta do terroir, além do seu tempo de guarda. Os exemplares elaborados com a casta Semillon podem ser bastante leves e cítricos ou aromáticos e complexos, quando amadurecidos em barris de carvalho. Apesar de ser tradicionalmente cultivada na região de Bordeaux, na França, a casta é também encontrada na Nova Zelândia, Austrália e Estados Unidos. Com excelentes exemplares de vinhos, incluindo os da uva Semillon botrititizadas, o produtor argentino Catena Zapata elaborou o “Catena Semillon Doux 2008”, vinho argentino com presença de 100% da casta de Sauternes. O vinho branco doce é inspirado nos grandes exemplares de Bordeaux, com uvas plantadas e cultivadas em altitudes bastante elevadas. Para garantir perfeita concentração de açúcar ao vinho, a colheita da fruta ocorre em 3 etapas, o que garante uma bebida incrivelmente rica e bastante equilibrada. 

Mendoza

A região de Mendoza é conhecida como o berço do vinho argentino e possui a fama de produzir o melhor Malbec do mundo. Mendoza é responsável por 70% da produção de vinhos da Argentina, tornando-se uma das áreas vinícolas mais importantes das Américas e, consequentemente, uma das mais importantes do Novo Mundo. 

Entre pequenos produtores e gigantes vitivinícolas, Mendoza possui mais de mil bodegas que utilizam tecnologias avançadas no cultivo, fermentação e comercialização do vinho. Os rótulos mais conhecidos da região argentina são os exemplares do renomado produtor Catena Zapata, conhecido por elaborar vinhos de estrutura e alta complexidade. 

Nos últimos anos, o sucesso dos vinhos argentinos no mundo todo tem sido estrondoso. Seus tintos ricos, macios e concentrados, elaborados em estilo moderno — principalmente com a uva Malbec e Cabernet Sauvignon — estão entre os que mais agradam o paladar contemporâneo, especialmente nos países do Novo Mundo. 

Em geral, são vinhos de excelente relação qualidade e preço, muito sabor e apelo imediato, fáceis de gostar ao primeiro gole. Além de muitos vinhos saborosos e acessíveis, a Argentina produz também alguns grandes vinhos, de estrutura e complexidade, entre os melhores do mundo, como é o caso dos famosos Catena Alta, Catena Zapata ou do raro Nicolás Catena Zapata, que são as principais referências de qualidade em vinhos argentinos hoje em dia. Alguns produtores argentinos também produzem excelentes Chardonnaysintensos, ricos e complexos, entre os melhores do continente americano.  
 
O potencial da Argentina para produzir grandes vinhos é realmente muito grande, tanto pelo clima quanto pelos terroirs privilegiados e pela possibilidade de se plantar em altitude, que vem sendo cada vez mais explorada por Catena. Entre os tintos, os grandes destaques do país são a uva Malbec e a Cabernet Sauvignon, enquanto entre os brancos a Chardonnay predomina, com alguns belíssimos exemplares.  
 
uva Bonarda também é muito plantada e já tem dado vinhos tintos macios e alegres, de muito sabor. Experiências têm sido feitas com inúmeras outras uvas, como SyrahPinot NoirTempranilloMerlot e Sauvignon Blanc, e o futuro promete interessantes surpresas

0 AVALIAÇÕES - 0.00 DE 5 ESTRELAS

  • Ótimo:

    0.0%

  • Muito bom:

    0.0%

  • Bom:

    0.0%

  • Não gostei:

    0.0%

  • Péssimo:

    0.0%

Avalie este produto:

Avaliar