Vinho Chileno Montes Alpha Tinto Cabernet Sauvignon 2013 375 ml

2738

Por: R$ 129,90

R$ 123,41 (com 5% no boleto à vista)

em até 1x de R$ 129,90 sem juros no cartão

Produto indisponível
Avise-me quando chegar
Compartilhe:
Colheita manual nos famosos vinhedos de Apalta, reputados por produzir os melhores vinhos do Chile. Rendimentos controlados. Sendo  Cabernet Sauvignon (85%) e Merlot (15%) Verdadeiro clássico da América do Sul, o Montes Alpha foi o primeiro grande tinto chileno, inspirado nos melhores vinhos de Bordeaux. Foi eleito o "melhor Bordeaux chileno" pela revista Decanter, e equivale em qualidade a um "cru bourgeois" de preço três ou quatro vezes maior! Concentrado e refinado, com muita estrutura, camadas e mais camadas de fruta madura e um elegante final de boca. Um vinho excelente, de imbatível relação qualidade/preço.
  • País: Chile
  • Região: Valle de Colchagua
  • Safra: 2013
  • Tipo: Tinto
  • Uva: Blend (Merlot e Cabernet Sauvignon)
  • Volume: 375 ml
  • Teor alcoólico: 14.0000%
  • Temperatura de serviço: 18,0ºC a 20,0ºC
  • Amargor: 4/5
  • Corpo: 5/5
  • Aroma: 4/5
  • Sugestão de guarda: de 5 até 10 anos
  • Combinações enogastronômicas: Carnes e pratos elaborados.
  • Validade: Válido por prazo indeterminado desde que conservado deitado em local fresco e escuro.
  • Vinícola: Viña Montes
  • Vinificação: As uvas são fermentadas em cubas de aço inoxidável com controle de temperatura. A fermentação malolática ocorre nas cubas.
  • Maturação: Maturado 12 meses em barricas de carvalho francês.
  • Família: Vinho de Mesa Fino
  • Estilo: Seco
  • Coloração: Tinto
  • Sommelier: Notas de Prova - Montes Alpha Cabernet Sauvignon : Vermelho rubi profundo. Apresenta aromas de groselha preta, chocolate e toques tostados da barrica de carvalho. O paladar é encorpado e equilibrado, com um extraordinário final de boca.

Viña Montes

Viña Montes é um dos maiores nomes do Chile, elaborando fantásticos vinhos tintos e brancos, de muita personalidade e imbatível relação qualidade e preço.

Sua reputação no Brasil e afora é enorme e seus vinhos estão sempre entre os melhores da América do Sul. O produtor foi o pioneiro dos vinhos de alta qualidade no Chile, quase três décadas atrás. Seu vinho mais emblemático, o Montes Alpha Cabernet Sauvignon, foi o primeiro grande vinho tinto chileno, recebendo enorme reconhecimento internacional. Concentrado e elegante, ele foi inspirado nos grandes tintos de Médoc e costuma merecer sempre ótimos prêmios.

Os Montes Alpha Cabernet Sauvignon e Merlot foram recentemente eleitos como “os melhores ‘Bordeaux’ do Chile” pela revista Decanter, para quem são “muito estilosos, o Chile em seu aspecto mais clássico”. A mesma inspiração deu origem ao excelente Montes Alpha “M”, um dos grandes vinhos da América do Sul e o primeiro “superpremium” do país.

O inovador Folly, um Syrah ao nível dos melhores do mundo, é outro de seus vinhos que já nasceram célebres, assim como o Purple Angel, um super Carmenère. Os vinhos da linha Montes, entre os mais acessíveis da bodega, são ricos e saborosos, verdadeiros achados, de qualidade impressionante pelo preço.

O delicioso Cherub, um super-rosé de Syrah, é elaborado com uvas plantadas especialmente para a elaboração do vinho. Fruto da sociedade entre os amigos Douglas Murray e Aurélio Montes — um dos maiores enólogos chilenos — a Viña Montes é uma verdadeira colecionadora de prêmios e altas notas. Em seu guia de vinhos, Hugh Johnson se desmancha em elogios à vinícola e afirma: “the best in Chile”.

Considerado um dos ícones da atividade vinícola, o enólogo Aurélio Montes diz que “80% de um bom vinho vêm dos vinhedos e apenas 20% vêm das adegas”. Dessa maneira, o cuidado com os vinhedos é primordial, permitindo-os produzir vinhos de classe mundial.

Viña Montes foi não só a precursora dos vinhos de alta qualidade no Chile, servindo como um divisor de águas na história da viticultura chilena, como também inaugurou uma profunda transição da 'quantidade' para a 'qualidade' em todo o cenário vinícola do país. Uma curiosidade da vinícola chilena: na sala de barricas, seus vinhos descansam ao som de cantos gregorianos.

Blend (Merlot e Cabernet Sauvignon)

A palavra “merlot” significa “pequeno merle”, ou melro, em francês, um pequeno pássaro preto comum na Europa. A origem do nome talvez esteja na comparação da cor preto-azulada das uvas maduras com a cor dessa ave, ou na forma como os melros gostam de comer essas uvas antes da colheita. Na realidade, os melros são considerados pelos enólogos como uma das pragas da vinha.  Originária da região de Bordeaux, na França, a Merlot é descendente da Cabernet Franc e meia irmã da Carménère e da Cabernet Sauvignon. Os primeiros registros oficiais são recentes, de 1784 em Bordeaux (Cotes de Libournais). Na Itália (Vêneto), ela é mencionada apenas em 1855, com o nome de “Bordò”.  Hoje é a uva mais cultivada em Bordeaux e a terceira na França (atrás da Carignan e da Grenache). Na margem direita de Bordeaux (Saint-Émilion e Pomerol), ela domina amplamente, enquanto na margem oposta ela corresponde no máximo a 25%, com maior destaque na sub-região de Saint-Estephe. Hoje em dia, é uma das uvas tintas mais cultivadas no mundo, competindo somente com a Cabernet Sauvignon entre as mais conhecidas. Em Bordeaux, soma 101 mil hectares, contra os 53 mil hectares de Cabernet Sauvignon. No mundo, já existem mais de 250 mil hectares de vinhedos plantados com esta casta.   A casta Cabernet Sauvignon (resultado do cruzamento das uvas Cabernet Franc e Sauvignon Blanc) é uma das mais famosas e a mais bem-sucedidas uvas tintas do mundo, originária da região francesa de Bordeaux (como indicam documentos do século XVIII). Ela compõe vinhos tintos encorpados e concentrados, muitas vezes envelhecidos em carvalho. Alguns exemplares podem durar muito tempo, e podem também ser elegantes e complexos, enquanto outros são mais intensos e exuberantes. Hoje, a onipresente uva Cabernet Sauvignon produz ótimos vinhos nas regiões mais diversas: Bordeaux, Itália, Portugal, Espanha, Austrália, Califórnia, Chile, Argentina, Nova Zelândia e África do Sul, entre outras. Cada uma com seu estilo próprio e suas peculiaridades. Uma das mais famosas uvas tintas do mundo, a Cabernet Sauvignon resulta do cruzamento entre as uvas Cabernet Franc e Sauvignon Blanc. É originária da região francesa de Bordeaux – as primeiras indicações sobre sua existência remontam ao século XVIII –, e está presente em quase todas as regiões produtoras de vinho, o que demonstra sua incrível habilidade de adaptar-se aos terroirs mais distintos. Por ser o componente principal de todos os cinco Premier Grand Cru Classés de Bordeaux, a variedade foi plantada nos quatro cantos do planeta e diversos dos melhores tintos do mundo são elaborados com ela. Hoje, a onipresente uva Cabernet Sauvignon produz ótimos vinhos nas mais diversas regiões: Bordeaux, Itália, Portugal, Espanha, Austrália, Califórnia, Chile, Argentina, Nova Zelândia e África do Sul, entre outras. Cada um com seu estilo próprio e suas peculiaridades. A Cabernet Sauvignon é uma uva relativamente fácil de ser cultivada, mas que demanda uma grande insolação para alcançar o pleno amadurecimento. Essa é uma das razões do porquê na sua região de origem – Bordeaux, na França – ela aparece em quantidade menor que sua companheira Merlot, que por sua vez necessita de menos sol para amadurecer. Apesar de ser comumente associada aos tintos de Bordeaux, a uva Cabernet Sauvignon se desenvolve particularmente bem apenas na região de Médoc e em alguns outros poucos terroirs de Bordeaux. Por outro lado, o sol abundante do Novo Mundo, em lugares como a Califórnia e o Chile, permite que a uva Cabernet fique completamente madura e acumule bastante açúcar. Os cachos são pequenos e os bagos miúdos e de casca espessa. Os vinhos tintos elaborados com ela são encorpados e concentrados, com taninos potentes e muitas vezes envelhecidos em carvalho, para que o vinho fique mais complexo e macio. Alguns de seus vinhos podem durar muito tempo, e podem também ser elegantes e complexos, enquanto outros são mais intensos e exuberantes.

Valle de Colchagua

Videiras centenárias e fazendas encantadoras formam a paisagem deste bonito vale ao sul da capital chilena, uma das zonas agrícolas mais promissoras do país.

Os produtores do Valle de Colchagua, interessados em obter vinhos da mais alta qualidade, vêm utilizando sofisticadas técnicas de manuseio dos vinhedos, incluindo o mapeamento por satélite, o plantio em encostas e o uso de clones.

Ao que parece, acertaram. Os rótulos que nascem ali são cada vez mais premiados. O Colchagua, que significa “pequenas lagunas” em mapuche, tem a mais bem organizada rota de vinho do país, que inclui uma divertida excursão com o Tren del Vino, uma locomotiva que faz a delícia dos turistas mais nostálgicos.

COMO CHEGAR

Partindo da capital Santiago, há trens da Ruta Del Vino que chegam até a região pelo menos um sábado por mês. Os trens convencionais da Terrasur levam o turista até a cidade de San Fernando, de onde é possível pegar um táxi até as atrações locais.

ATRAÇÕES

As vinícolas são o principal atrativo da região. Os passeios pelos parreirais são guiados, com degustação inclusa. A estrutura das bodegas inclui restaurante, onde é possível almoçar enquanto se prova os rótulos. A Casa Silva, por exemplo, é totalmente voltada para a atividade familiar, além de ser considerada a mais antiga da região. Um de seus grandes atrativos é a coleção de carros antigos exposta na propriedade.

Na Casa Lapostolle, a chave é a sofisticação, com práticas sustentáveis durante o processo de produção dos vinhos. Há, ainda, outras opções como a Santa Cruz, a Viu Manent e a Caliterra.

0 AVALIAÇÕES - 0.00 DE 5 ESTRELAS

  • Ótimo:

    0.0%

  • Muito bom:

    0.0%

  • Bom:

    0.0%

  • Não gostei:

    0.0%

  • Péssimo:

    0.0%

Avalie este produto:

Avaliar