Vinho Francês Chateau de Pourcieux Rosé 2015

649

Por: R$ 109,90

R$ 104,41 (com 5% no boleto à vista)

em até 1x de R$ 109,90 sem juros no cartão

Frete
Compartilhe:
  • País: França
  • Região: Côtes de Provence
  • Safra: 2015
  • Tipo: Rosé
  • Uva: Blend (35% Syrah, 35% Grenache, 35% Cinsault e 10% Cabernet Sauvignon, Mourvedre e Carignan)
  • Volume: 750 ml
  • Teor alcoólico: 14.0000%
  • Temperatura de serviço: 8,0ºC a 8,0ºC
  • Combinações enogastronômicas: Carnes vermelhas grelhadas, frango e queijo.
  • Validade: Validade indeterminada desde que conservado com a sua vedação original em local seco e fresco ao abrigo da luz, sem trepidações, com temperatura constante, sem odores fortes e preferencialmente na posição horizontal.
  • Vinícola: Chateau de Pourcieux
  • Maturação: Curta passagem por tonéis
  • Família: Vinho Fino
  • Estilo: Seco
  • Coloração: Rosé
  • Sommelier: Notas de Prova - Chateau de Pourcieux: Cor: rosa pálido com reflexos brilhantes. Aroma: delicados e deliciosos, expressam nota de grapefruit. Boca: é dominado pelo frescor, equilíbrio e elegância. Final com excelente persistência aromática.

Chateau de Pourcieux

Foi entre duas imponentes cadeias montanhosas, o Monte Sainte-Victoire e o Monts Aureliens, que a família Marquis d’Espagnet percebeu as condições geoclimáticas ideais para elaborar vinhos expressivos e elegantes. Este refrescante rosé é o resultado do secular know-how dos proprietários do Château de Pourcieux. O Château de Pourcieux manteve-se até hoje nas mãos da família Marquis d'Espagnet, muito ligada ao parlamento de Provence. Como um belíssimo exemplo de arquitetura provençal, em 1993 o castelo foi registrado no inventário oficial de Monumentos Históricos. Desde tempos imemoriais, tem sido um local importante da viticultura e está entre as vinhas mais veneráveis de Provence. Inclusive, vestígios romanos testemunham a sua história: Château contém, em suas adegas, cubas monumentais que datam do século XVIII e uma vasta coleção de barricas de carvalho que foram montados na época e estão em uso até hoje.

Blend (35% Syrah, 35% Grenache, 35% Cinsault e 10% Cabernet Sauvignon, Mourvedre e Carignan)

A Syrah certamente origina alguns dos mais cultuados e apreciados vinhos do planeta. Os vinhos produzidos com a Syrah são profundos e encorpados, repletos de notas de especiarias e frutas negras maduras. É uma casta que pode originar vinhos com perfis aromáticos distintos, dependendo do tipo de clima onde é cultivada. Nas regiões de clima quente, os vinhos são encorpados, com notas que lembram ameixa e chocolate. Em regiões mais frias, são famosos os Syrahs com notas de pimenta-do-reino e couro. Incrivelmente longevos, os melhores exemplos de vinhospodem evoluir por décadas  na adega. Recentemente diversos países têm produzido vinhos tintos de classe mundial com a Syrah, atestando o grande potencial da casta. Além da França e Austrália, podemos certamente citar Itália, Chile, África do Sul, Estados Unidos e Argentina. Grenache é uma das uvas mais plantadas no mundo, alguns dizem ser a primeira de todas! Encontrada em famosos vinhos tintos, a Grenache também produz excelentes rosés, e até vinhos de sobremesa e fortificados. Os vinhedos de Grenache espalhados pelo planeta ocupam mais de 200.000 hectares, no total, mas 80% deles estão na França e na Espanha, maiores cultivadores dessa cepa. A Grenache é brilhante em vinhos varietais suaves, de cor clara e semitranslúcida, ideais para serem consumidos jovens.  A origem da casta Cinsault é o sul da França, na região de Languedoc-Roussillon, onde é muito cultivada, e sua pronúncia assemelha-se a “sãn-soul”. O vinho produzido com Cinsault é frutado, com uma cor vermelha atraente, aroma agradável, e poucos taninos. Seus aromas e sabores remetem a mirtilo, cereja, amora, pimenta, e carne vermelha. Gralmente é utilizada em cortes com Grenache, Syrah, Mourvèdre e Carigan, oferecendo suavidade, flexibilidade, leveza e aroma. A casta Cabernet Sauvignon (resultado do cruzamento das uvas Cabernet Franc e Sauvignon Blanc) é uma das mais famosas e a mais bem-sucedidas uvas tintas do mundo, originária da região francesa de Bordeaux (como indicam documentos do século XVIII). Ela compõe vinhos tintos encorpados e concentrados, muitas vezes envelhecidos em carvalho. Alguns exemplares podem durar muito tempo, e podem também ser elegantes e complexos, enquanto outros são mais intensos e exuberantes. Hoje, a onipresente uva Cabernet Sauvignon produz ótimos vinhos nas regiões mais diversas: Bordeaux, Itália, Portugal, Espanha, Austrália, Califórnia, Chile, Argentina, Nova Zelândia e África do Sul, entre outras. Cada uma com seu estilo próprio e suas peculiaridades. Uma das mais famosas uvas tintas do mundo, a Cabernet Sauvignon resulta do cruzamento entre as uvas Cabernet Franc e Sauvignon Blanc. É originária da região francesa de Bordeaux – as primeiras indicações sobre sua existência remontam ao século XVIII –, e está presente em quase todas as regiões produtoras de vinho, o que demonstra sua incrível habilidade de adaptar-se aos terroirs mais distintos. Uma das castas melhor adaptadas ao calor, a uva Monastrell contribui com estrutura e notas de amoras maduras nos potentes tintos do Mediterrâneo, principalmente no sul da França, onde é conhecida como Mourvèdre. É umas das castas mais antigas em produção. Segundo algumas teorias, a uva Mourvèdre chegou na Espanha levada pelos fenícios em 500 a.C. A Espanha é o país com a maior área plantada, chegando a mais de 60 mil hectares. Além disso, é bem mais fácil encontrar vinhos varietais elaborados com a casta no país. A uva Monastrell é originária da região de Valência, provavelmente na região de Camp de Morvedre. Segundo registros da época, a casta foi levada para a região de Provence no século XVI e o nome Mourvèdre é uma referência à sua origem, Camp de Morvedre. Uma das assinaturas da casta são os aromas terrosos e o toque animal que ela confere aos vinhos. Muito comum no sul da França, país onde já foi a principal casta, e com forte presença também na Espanha e na Itália, a Carignan é uma das uvas que tem ganhado muitos entusiastas no novo mundo vinícola, especialmente no Chile, onde esta variedade tinta, cada vez mais tem originado vinhos de qualidade elevada e reconhecida internacionalmente. Esta casta teve um momento de muita glória no passado, e, apesar, de ter perdido espaço para outras tintas, nos últimos anos tem mostrado seu valor para aqueles que buscam vinhos com tipicidade, que são os que trazem as características da região (clima, solo, água, etc) impressas no sabor (terroir). A origem exata da Carignan é indefinida, mas como ela é muito comum na Espanha e no sul da França desde tempos imemoriais, estes dois países tem o crédito da casta. No novo mundo, aonde chegou logo na primeira metade do século XIX, ela é cultivada na Califórnia, na Argentina e no Chile.

Côtes de Provence

O charme começa pela localização: Provence fica no sul da França, entre os Alpes e o Mediterrâneo. Quase um sonho, que culmina no principal tipo de vinho da região: os rosés. A história do vinho na Provence começou séculos antes do nascimento de Cristo, com os romanos. Provence, aliás, vem do nome Província Romana. Provence é a mais antiga região vinícola de toda a França! Assim como em outras localidades, durante a Idade Média a cultura da vinha e a produção do vinho, em Provence, eram mantidos por monges. Aqui, produzia-se vinho não somente para fins religiosos, mas também para comercialização e sustento dos monastérios. Dos 600 produtores de vinho na região da Provence, mais de 400 deles produzem vinhos rotulados como Côtes de Provence, a maior denominação de origem (Appellation d'Origine Contrôlée, em francês) da região. Os vinhedos de Côtes de Provence ocupam aproximadamente 20.000 hectares, e são responsáveis por cerca de 120 milhões de garrafas produzidas por ano. Quase 90% dos vinhos Côtes de Provence são rosés, seguidos de 7% de tintos e 3% de brancos. Provence é, de fato, a região que mais produz rosés em toda a França. Cerca de 40% dos vinhos rosés franceses são da Provence! Na Provence, o clima é mediterrânico, quente, seco e ensolarado, contabilizando entre 2.700 e 2.900 horas anuais de Sol. A legislação que regula os vinhos da Provence reconhece oficialmente alguns terroirs específicos, dentro de Côtes de Provence: Côtes de Provence Sainte-Victoire, Côtes de Provence Fréjus, Côtes de Provence La Londe, e Côtes de Provence Pierrefeu. As uvas predominantes nos vinhos de Côtes de Provence são Grenache, Syrah, Mourvèdre, Cinsault e Tibouren, sendo que essa última destaca-se por ser uma cepa autenticamente provençal.

0 AVALIAÇÕES - 0.00 DE 5 ESTRELAS

  • Ótimo:

    0.0%

  • Muito bom:

    0.0%

  • Bom:

    0.0%

  • Não gostei:

    0.0%

  • Péssimo:

    0.0%

Avalie este produto:

Avaliar