Vinho Uruguaio Viejo Tannat Tinto 2013

157

Por: R$ 108,00

R$ 102,60 (com 5% no boleto à vista)

em até 1x de R$ 108,00 sem juros no cartão

Frete
Compartilhe:
  • País: Uruguai
  • Região: Salto
  • Safra: 2013
  • Tipo: Tinto
  • Uva: Tannat
  • Volume: 750 ml
  • Teor alcoólico: 14.5000%
  • Temperatura de serviço: 10,0ºC a 10,0ºC
  • Sugestão de guarda: 6 Anos.
  • Combinações enogastronômicas: Carnes vermelhas, queijos e massas com molho vermelho.
  • Validade: Validade indeterminada desde que conservado com a sua vedação original em local seco e fresco ao abrigo da luz, sem trepidações, com temperatura constante, sem odores fortes e preferencialmente na posição horizontal.
  • Vinícola: H. Stagnari Vinos de Autor
  • Maturação: Estagia por 13 meses em carvalho francês.
  • Família: Vinho de Mesa Fino
  • Estilo: Demi-Sec
  • Coloração: Tinto
  • Sommelier: Notas de Prova - Stagnari Viejo Tannat: Cor intensa, com bordas violáceas. Notas de especiarias e de chocolate, gengibre, menta. Taninos redondos e finos dão a sensação de frescor que a acidez frutada deixa como lembrança e demora a desaparecer.

H. Stagnari Vinos de Autor

A vinícola H. Stagnari se apresenta como “a bodega do tannat mais premiado do mundo”. No 22º Vinalies, concurso realizado na França, a vinícola levou 7 das 14 medalhas ganhas por vinhos do Uruguai. Sem dúvida, um belo cartão de visitas. Foram duas de ouro, para os vinhos Tannat Viejo 2012 e Tannat Viejo 2013, e cinco de prata, para vinhos de diferentes linhas e que vão de safras de 2012 a 2015. Em todos eles, a tannat, uva-ícone do país, está presente, sozinha ou compondo cortes com outras variedades tintas, como marselan e cabernet sauvignon.

Tudo começa em 1978, quando o fundador da vinícola, Héctor Stagnari, conclui a Escola de Enologia e vai aprofundar os estudos, primeiro em Bordeaux e Chateauneuf du Pape, na França, e depois na Califórnia. Ao voltar para o Uruguai, inicia-se no negócio do vinho. Depois de várias pesquisas, compra terras em La Caballa (na região de Salto, noroeste do país), e planta suas primeiras videiras. A escolha, não por acaso, recaiu sobre a mesma região que tem íntima e histórica relação com a tannat. Foi lá que, em 1874, o imigrante basco-francês Pascal Harriague plantou pela primeira vez essa cepa francesa que havia trazido consigo. Ao longo do tempo, por questões de solo e climáticas, ela se tornaria a uva-mãe da viticultura uruguaia. Tanto é assim que, nos primórdios, a uva era chamada de harriague. No ano 2000, Héctor e a mulher Virginia terminam a construção da bonita sede atual da vinícola que visitamos em La Puebla (em Canelones, a 20 minutos do Centro de Montevidéu). A H. Stagnari produz mais de 30 vinhos, incluindo espumantes. Todos são elaborados com uvas próprias da bodega, que tem vinhedos tanto ali em La Puebla – onde planta uvas brancas como chardonnay, viognier e gewurztraminer – como em La Caballa, onde são cultivadas cepas tintas como cabernet sauvignon, petit verdot e marselan, além da estrela tannat.

Tannat

Salto

A cidade de Salto não é um destino turístico popular entre os estrangeiros que visitam o país, em contrapartida entre os uruguaios é um destino bastante apreciado e procurado para uns dias de descanso. É uma região que já possui uma boa estrutura direcionada ao turismo e pode revelar boas surpresas aos viajantes. É possível fazer enoturismo e conhecer um pouco mais sobre a região onde foram plantadas as primeiras mudas de tannat, a cepa emblemática do país.

0 AVALIAÇÕES - 0.00 DE 5 ESTRELAS

  • Ótimo:

    0.0%

  • Muito bom:

    0.0%

  • Bom:

    0.0%

  • Não gostei:

    0.0%

  • Péssimo:

    0.0%

Avalie este produto:

Avaliar